Publicado em Compartilhando, Lendo e Compartilhando

Sobre a Morte

Para um médico ou uma enfermeira, a morte é um fracasso. Para um amigo ou parente, é um desastre. Apenas para a alma é um alívio, uma libertação.

Freqüentemente acontece que a alma toma a decisão de que é hora de deixar o corpo. O corpo e a mente, sempre seus servos, ouvem-na e começa o processo de libertação.
Contudo, a mente (o ego) não deseja aceitá-la. Afinal de contas, esse é o fim de sua existência. Então instrui o corpo para resistir à morte, o que o corpo faz com prazer, porque não deseja morrer. O corpo e a mente (o ego) recebem muito incentivo, muitos elogios do mundo exterior, o mundo de sua criação, pelo fato de resistir. Assim, a estratégia é legitimada.
Nesse ponto, tudo depende do quanto a alma deseja partir. Se não houver grande urgência aqui, a alma poderá dizer: “Está bem, você venceu. Ficarei durante mais algum tempo.” Mas se estiver muito claro para a alma que ficar não servirá aos seus objetivos mais elevados, que não há mais como evoluir através do corpo, ela o deixará, e nada irá impedi-Ia – ou deverá tentar impedi-Ia.
Está muito claro para a alma que o seu único objetivo é a evolução.
Não está preocupada com os feitos do corpo, ou o desenvolvimento da mente. Nada disso faz sentido para ela.
Também está claro para a alma que deixar o corpo não é uma grande tragédia. De muitos modos, a tragédia é permanecer nele.
Então você tem de compreender que a alma vê a morte de uma maneira diferente. É claro que também vê a vida de uma maneira diferente, e esta é a fonte de grande parte da frustração e ansiedade que as pessoas sentem na vida. A frustração e a ansiedade surgem quando elas não ouvem as suas almas.

(Conversando com Deus – Neale Donald Walsch)

Publicado em Compartilhando, Diário, Escrevendo, Lendo e Compartilhando, Lendo e Escrevendo, Sentindo e Escrevendo

Uma Mensagem para meu Sorriso Matinal

Recebi uma mensagem sensacional, que me fez abrir um mega sorriso logo de manhã.

Tô lendo seu blog… e a sensação é quase a mesma de quando a gente vê um filme na tv tarde da noite sozinho… Tendo o direito de interpretar da forma que quiser! Se emocionando… Apreciando cada detalhe. Eis a seguinte frase “O cigarro nada mais é que uma tentativa (frustrada) de matar sentimentos.” Tenso mas devo concordar! Acabei de acender mais um inclusive! rsrsrs…. Estou te escrevendo para agradecer por todos esses sentimentos e pensamentos que você me proporcionou (indiretamente) em mais uma madrugada perdida… Obrigado!

…Engraçado como algumas coisas nos vêm no momento exato… Seus textos para mim foram como ver a Ursa Maior em alto mar, a noite e sem bússola…

Paulo Sigma

Isso é tão bom quanto comer chocolate na tpm!

Muito, muito, muito obrigada Paulo! 

Publicado em Compartilhando, Lendo e Compartilhando, Pergunta da Vez

É loucura conseguir dialogar com Deus?

… Por que acha loucura conseguir dialogar com Deus? Não acredita na oração?

Sim, mas isso é diferente. Para mim a oração sempre teve um só sentido: Eu peço, e Deus permanece imutável.

Deus nunca respondeu a uma oração?

Ah, sim, mas nunca verbalmente. Aconteceram todos os tipos de coisas em minha vida que me convenceram de que eram uma resposta – muito direta – à oração. Mas Deus nunca falou comigo.

Eu entendo. Então esse Deus em que você acredita pode fazer qualquer coisa – menos falar.

É claro que Deus pode falar, se quiser. Só não parece provável que Ele iria querer falar comigo.

Essa é a causa de todos os seus problemas na vida – não achar que merece que Deus fale com você.
Como pode esperar ouvir a Minha voz se pensa que não merece que Eu fale com você?
Eu lhe digo que estou fazendo um milagre neste exato momento.
Porque não só estou falando com você, como também com todas as pessoas que estão lendo este livro.
Estou falando com todas elas agora. Sei quem são. Sei quem lerá estas palavras – e que (como acontece com todas as Minhas outras comunicações) – algumas dessas pessoas não ouvirão palavra alguma.

(Conversando com Deus – Neale Donald Walsch)

Publicado em Compartilhando, Lendo e Compartilhando, Pergunta da Vez

Que tipo de arbítrio é livre quando escolher uma coisa dentre outras leva à condenação?

Em primeiro lugar, vocês não devem fazer perguntas lógicas como, “se Deus queria uma obediência cega às Suas leis, por que criou a possibilidade dessas leis serem violadas”? Ah, todos os seus mestres lhes dizem – porque Ele queria que vocês tivessem o “livre-arbítrio”.
No entanto, que tipo de arbítrio é livre quando escolher uma coisa dentre outras leva à condenação? Como o arbítrio é livre quando não é a sua vontade, e sim a de outrem, que deve ser feita? Aqueles que lhes ensinam isso fazem Deus parecer hipócrita.
É dito a vocês que Deus é perdão e compaixão – contudo, se não pedirem esse perdão do “modo certo”, se não “procurarem Deus” adequadamente, suas súplicas não serão ouvidas e atendidas.
Isso não seria tão ruim se houvesse apenas um modo adequado, mas há tantos sendo ensinados quanto há mestres para ensiná-los.
Por isso, a maioria de vocês passa a maior parte da vida adulta procurando o modo “certo” de adorar, obedecer e servir a Deus. A ironia de tudo isso é que Eu não quero a sua adoração, não preciso da sua obediência e não é necessário que sirvam a Mim.
Esses comportamentos são os historicamente exigidos dos súditos pelos monarcas – geralmente egomaníacos, inseguros e tirânicos. Não são de modo algum exigências divinas – e parece notável que até agora o mundo não tenha concluído que são falsas, não tendo nada a ver com as necessidades ou os desejos da Divindade.
A Divindade não tem necessidades. Tudo Que É, é exatamente isso: tudo que é. Portanto, por definição não tem necessidades e nem deseja coisa alguma.
Se vocês escolherem acreditar em um Deus que precisa de alguma coisa – e fica tão ofendido se não a tiver que pune aqueles de quem esperava recebê-la – então terão escolhido acreditar em um Deus muito inferior a Mim. Na verdade, serão Filhos de um Deus Inferior.
Não, meus filhos, por favor, deixem-Me afiançar-lhes novamente, através deste livro, que Eu não tenho necessidades. Não exijo coisa alguma.
Isso não significa que não tenho desejos. Desejos e necessidades são coisas diferentes (embora muitos de vocês as tenham igualado em suas vidas atuais).
O desejo é o começo de toda criação. É o primeiro pensamento, um sentimento profundo dentro da alma. É Deus escolhendo o que criar a seguir.
E qual é o desejo de Deus?
Eu desejo primeiro saber e experimentar Quem Sou, em toda plenitude – para conhecer Quem Realmente Sou. Antes de criar você – e tudo o que há no universo – era impossível compreender isso.
Em segundo, Eu desejo que vocês saibam e experimentem Quem Realmente São, através do poder que lhes dei de criar e experimentar a si mesmos do modo que escolherem.
Em terceiro, Eu desejo que todo o processo da vida seja uma experiência de alegria constante, criação contínua, desenvolvimento incessante e satisfação plena em todos os momentos.

(Conversando com Deus – Neale Donald Walsch)

Publicado em Diário, Filmes, Vendo e Escrevendo

La Cara Oculta

Olha, a América Latina está cada vez melhor na área cinematográfica. Desta vez a Colômbia apresenta “La Cara Oculta“. Um suspense muito do bom.

O filme conta a história de um maestro da Orquestra Filarmônica de Bogotá, que viaja a trabalho com a namorada. Ela, motivada por ciumes, vai embora, deixando um vídeo como carta de despedida. Porém, a mesma some, criando-se um mistério sobre seu desaparecimento.

Dirigido por Andy Baiz, diretor do filme “Satanás“, esse ganhador do prêmio de Melhor Filme e Melhor Ator no Festival Monte Carlo de Cinema.

 

Quem quiser baixar: http://www.crocko.com/92271C5EFAD549B0818A8A100FA9EBBD/

Publicado em Diário, Escrevendo, Pensando e Escrevendo, Sentindo e Escrevendo

Por que escrever um Blog?

Eu tento colocar em palavras meus pensamentos e sentimentos, e compartilho para que cabeças pensantes reflitam.

Escrevo não só para os outros, escrevo para mim, como se eu mesma fosse uma segunda pessoa, e reflito em cima do que eu mesma escrevi.

Publicado em Diário, Escrevendo, Pensando e Escrevendo, Sentindo e Escrevendo

Dia Internacional da Síndrome de Down

Parabéns aos profissionais que a cada dia que passa não desistem e acreditam na superação do limite dado pelos livros e pela sociedade de pensamento pequeno.
Se olharmos para trás, a 15 anos o limite para quem tinha síndrome de down era extremamente pequeno. Mas os bons profissionais acreditaram na superação desses limites e hoje a qualidade de vida deles nem se compara.

Esse dia de hoje é mérito de vocês. Parabéns!!!

Publicado em Compartilhando, Lendo e Compartilhando

O poder do Medo

…Eu lhes enviei um mestre após o outro. Vocês não ouvem os meus mestres. Vocês os matam.

Mas por quê? Por que matamos os mais santos entre nós? Nós os matamos ou desonramos, o que é a mesma coisa. Por quê?

Porque eles se opõem a todos os seus pensamentos que negariam a Mim. E vocês negam a Mim quando negam a si mesmos.

Por que eu ia querer negar ao Senhor, ou a mim?

Porque tem medo. E porque Minhas promessas são boas demais para serem verdade. Porque não consegue aceitar a Verdade maior. E por isso tem de contentar-se com uma espiritualidade que ensina medo, dependência e intolerância, em vez de amor, poder e aceitação.
Você está cheio de medo – e o seu maior medo é de que a Minha maior promessa possa ser a maior mentira da vida. E então cria a maior fantasia que pode para defender-se disso: afirma que qualquer promessa que lhe dá poder e garante o amor de Deus deve ser a falsa promessa do demônio. Diz a si mesmo que Deus nunca faria tal promessa, que apenas o demônio a faria – para tentá-lo a negar a verdadeira identidade de Deus como uma entidade temível, ciumenta e vingativa, que julga e pune.
Apesar do fato de que essa descrição se encaixaria melhor na de um demônio (se existisse um), você atribuiu características demoníacas a Deus para convencer-se a não aceitar as promessas divinas de seu Criador, ou as qualidades divinas do Eu.
Tamanho é o poder do medo.

(Conversando com Deus – Neale Donald Walsch)

Publicado em Escrevendo, Lendo e Escrevendo, Pensando e Escrevendo

Porque sites de relacionamento não funcionam como o esperado?

Acabei de ler uma matéria do Humberto Maia Junior, jornalista da revista Época. Desencontro à primeira vista fala sobre sites de relacionamento e porque não funciona como o esperado. Como dizia Jack, vamos por partes.

Os maiores sites de relacionamento começam com perguntas para traçar um perfil psicológico da pessoa. Ou seja, em vez de você buscar a si mesmo, entrar em contato com quem você realmente é, ou ir a um terapeuta e parar de dar tiro no pé, você pula essa etapa e já sai traçando um perfil psicológico para o outro. Exatamente. A maioria das pessoas não são sinceras nas perguntas. O seu perfil psicológico não é quem você é, é quem você acredita que o outro deseja que você seja. Não é seu perfil. É a sua máscara da sociedade. E por isso rola o desencontro a 1ª vista, como o título da matéria. Esse para mim é um dos maiores fatores da falha desse método de busca por um(a) parceiro(a).

Partindo do ponto que esse perfil traçado seja o que esta atras da máscara social, esses sites acreditam (como eu) em compatibilidade. Mas isso não é o suficiente. As chances aumentam quando se relaciona com alguém compatível, mas não é garantia de sucesso para o relacionamento. Falo por experiência própria. O que garante o sucesso de um relacionamento? Parafraseando um amigo meu: O que abala um sentimento, seja ele de amizade, amor ou o que quer que seja não é a involução ou evolução das pessoas. É a forma com que as pessoas envolvidas se tratam. (Fernando Freire Jr.). A própria matéria falou isso: ” Segundo o psicólogo americano John Gottman, o estilo de interação entre o casal é o principal determinante do sucesso da relação.“. Ou seja, a forma como o casal se trata é que garante o sucesso ou não do relacionamento. A forma de se tratar é que tem que ser compatível. Ou seja, a forma de amar um ao outro tem que ser compatível.

Na minha opinião, amor não é um só, não tem apenas uma forma ou 4, como diz a Bíblia. Eu parto do princípio que as pessoas são diferentes, e o amor segue essa linha. É amor, mas você ama cada pessoa de uma forma diferente, por ela ser diferente. Me veio a lembrança de uma cena do filme Apenas o fim, aonde o casal fala sobre o que é o amor. Ele compara o amor com  a personalização do lanche do Mc Donald’s. “… eu me sinto melhor porque eu peço para mudar o lanche, sei lá, tirar o picles. Eu me sinto como se estivesse personalizando aquilo que é padronizado. Eu acho que amor é mais ou menos assim. Pode ser uma coisa banalizada, padronizada, ser igual para todo mundo. Ou pode ser único, ser personalizado, só seu.” E eu acredito que funciona assim; é amor, mas personalizado.

Acredito que o método que mais da certo para não só encontrar, mas ter sucesso em uma relação, é tirar a máscara social e entrar em contato com quem você realmente é, para assim, saber o que realmente é compatível. Dá medo, apavora, eu bem sei. Mas vale muito a pena!

Eu fiz uma escolha, escolhi a mim. Mas quando eu me escolhi, não desisti dos outros. Eu apenas preferi ocupar o meu próprio vazio comigo mesma, e assim, o outro pode ocupar o seu real espaço dentro de mim.

Publicado em Diário

Se eu soubesse que amanhã iria morrer?

– Se você soubesse que amanhã iria morrer, o que faria nessa última noite?
– Orgia com 2 negões e uma ruiva.
– Você é ridícula!
(muitas risadas)
– Falando sério agora…
(segundos em silêncio, pensando…)
Eu grudaria em você, dormiria abraçada no seu coloco, esperando a morte.

(e dessa vez eu falei sério!)