Publicado em Compartilhando, Escrevendo, Vendo e Compartilhando, Vendo e Escrevendo

Esperança na Educação

Jair Oliveira recebeu uma carta de uma escola municipal de Salvador, aonde os alunos fizeram um trabalho sobre compositores, e o escolhido foi o queridíssimo Jair Oliveira. E faço das palavras de Jair as minhas:  

Muito legal saber que no Brasil apesar das dificuldades do professor em realizar o seu trabalho, das dificuldades do dia dia, das dificuldades financeiras, dificuldades de estrutura, enfim, tantas dificuldades que a gente sabe que elas existem e atrapalham o nosso sistema educacional, muitos professores acabam se sobressaindo, porque vão buscar energia lá dentro do coração e acabam passando isso para seus alunos e isso é memorável, louvável.

Publicado em Compartilhando, Escrevendo, Vendo e Compartilhando, Vendo e Escrevendo

O Quinto Mandamento

Acabei de assistir um dos filmes mais espetaculares que já vi. Coloco na minha lista de top 10 da categoria.
O Quinto Mandamento é um filme Mexicano, escrito e dirigido por Rafael Lara.
O filme mostra psicologicamente como potencializar o lado ruim de alguém mesmo acreditando estar fazendo o bem. O filme fala de fé, família, as milhares de formas de interpretação e o poder negativo do fanatismo religioso. O filme coloca de um forma espetacular o quanto o certo e o errado é relativo.

Recomendo.

Deixo aqui o pedido de perdão de Victor:

Peço o perdão das famílias das garotas que morreram pelas mãos dos meus demônios.
E digo para que não se preocupem, elas estão no céu gozando da vida eterna.
As outras levarão uma vida normal, enfrentando outros perigos, novas tentações…
Mas não meus demônios.
Muitos outros irão pecar, porque o pecado é relativo. E porque também é um modo de crescer, de aprender e de se conhecer.
Alguns farão o trabalho que poucos podem ou irão fazer. Estes honrarão suas promessas de servirem a Deus.
Outros trairão a confiança neles depositada. Pagarão com moeda falsa o que a Vida lhes ofereceu.

Perdoa-me.

Finalmente, alguns tentarão curar seu passado, lutando para não se converterem em errantes em um mar de solidão.
Mas todos farão isso porque estarão vivos e eu não.
Por haVer escutado os demônios da solidão e do desespero.
Por não ter me arrependido a tempo…
Por ter ignorado o Quinto Mandamento.

Publicado em Escrevendo, Lendo e Escrevendo, Pensando e Escrevendo, Sentindo e Escrevendo

Perdi a culpa

Perdi a culpa.
Caiu, largou-se de minhas mãos.
Mas quando olhei, percebi que ela estava intacta.

Porém não mais em minhas mãos.
Pensei em pegá-la de volta.
Hesitei.
Me afastei um pouco dela, uns 3 ou 4 passos.
Continuo a vê-la no chão, intacta.
E a cada dia tomo a decisão de dar mais um passo para longe, longe o suficiente para que meus olhos não mais a veja, e eu…
Bom, e eu vou encontrando outros sentimentos pelo caminho, que antes, com as mãos cheias de culpa, não conseguia pegá-los.

Publicado em Compartilhando, Lendo e Compartilhando

Quando você pára de esperar, tem todas as coisas

Outra coisa que aprendi na Ásia e que gostaria de dar a vocês é algo que pode ser muito exagerado para alguns, e, se for, deixem de lado: livre-se de suas expectativas. Buda disse uma coisa mágica. Ele sabia dizer muitas coisas mágicas com muita simplicidade. Disse: “Quando você pára de esperar, tem todas as coisas”. Isso é maravilhoso. “Quando você pára de esperar, tem todas as coisas”. Se você passar a fazer as suas coisas sem expectativas, então já tem tudo de que precisa. Se lhe dão alguma coisa em troca, você recebe isso de braços abertos. Deve vir sempre como uma surpresa. Mas se você espera uma reação e ela acontece, é uma chatice. Pare de esperar, e terá todas as coisas. Tome o que as pessoas lhe derem. Se você o apreciar, abrace-o, beije-o e receba-o com alegria, mas não espere nada. Se quiser sofrer, é só andar por aí na expectativa. As pessoas não estão aqui para corresponder às suas expectativas.

(Vivendo, Amando e Aprendendo – Leo Buscaglia)

Publicado em Compartilhando, Lendo e Compartilhando, Pergunta da Vez

Matar

Você pode matar se alguém está tentando matá-lo? Mataria para defender a vida de um ente querido ou alguém que não conhece?
O ato de matar é uma forma adequada de defesa contra aqueles que matariam se não fossem de algum modo impedidos?
Há uma diferença entre o ato de matar e o assassinato?
O estado gostaria de fazê-lo acreditar que matar para cumprir uma agenda política é perfeitamente justificável. De fato, o estado precisa que você aceite a sua palavra a esse respeito para existir como uma instituição de poder. As religiões gostariam de fazê-lo acreditar que matar para revelar, difundir e impor a sua verdade particular é perfeitamente justificável. De fato, as religiões exigem que você aceite a sua palavra a esse respeito para existir como instituições de poder. A sociedade gostaria de fazê-lo acreditar que matar para punir aqueles que cometem certas ofensas (que mudaram ao longo dos anos) é perfeitamente justificável. De fato, a sociedade precisa que você aceite a sua palavra a esse respeito para existir como uma instituição de poder.
Você considera essas posturas corretas? Aceitou a palavra de outrem a esse respeito? O que o seu Eu tem a dizer?
Não existe “certo” ou “errado” nessas questões. Mas com suas decisões você desenha a imagem de Quem É.
De fato, com suas decisões os estados e as nações já desenharam essas imagens. Com suas decisões as religiões criaram impressões indestrutíveis. Com elas as sociedades também produziram suas auto-imagens.
Você está satisfeito com essas imagens? São essas as impressões que deseja criar? Essas imagens representam Quem Você É?
Seja cauteloso com essas perguntas.

(Conversando com Deus – Neale Donald Walsch)

Publicado em Escrevendo, Fica a dica, Pensando e Escrevendo, Sentindo e Escrevendo

Fica a Dica – 35

 

Ensinar com amor e carinho faz um efeito transformador, diferente de ensinar com violência. Ensinar com o método violento, o efeito é quase instantâneo, mas não é duradouro. Ensinar com amor e carinho, a mudança acontece de dentro para fora, ocorre uma transformação, e isso é eterno.