Publicado em Escrevendo, Pensando e Escrevendo, Sentindo e Escrevendo, Textos Antigos

Tristeza

Estava eu revirando umas gavetas do meu quarto, e reencontrei o meu primeiro caderno de escrita.

Fevereiro de 2000.

Sim, comecei a escrever aos 19 anos (velha). Na verdade, eu já escrevia nas agendas, mas não sei se conta.

Relendo esse caderno, bati de cara com algumas definições de palavras. Felicidade, sorriso, amigos, raiva… Mas a melhor de todas foi a minha definição de tristeza. Segue:

Tristeza: Dor muito forte, aonde você se sente pequeno e sem sentido. Um conjunto de sentimentos ruins, aonde eles se condensam e formam apenas um.

dhddrhyr

Essa menina tem futuro, viu! rsrsrs

Publicado em Diário, Escrevendo, Pensando e Escrevendo, Sentindo e Escrevendo

Todo Let It Go Tem Que Ser Dito

66adfca3b6fb6e6f1cf0b509df47cc1f

Descobrir que gostar não é o suficiente para um relacionamento dar certo é algo bem doloroso.
Mas aí vem a pergunta: o que é suficiente?
A forma de se relacionar, talvez.

Mas possivelmente não seja uma coisa só. E fico pensando: será que realmente dá pra teorizar algo tão subjetivo como relacionamento? Será que já chegamos a esse nível de conhecimento?
Eu duvido muito.
Seria como uma criança de 4 anos entender a fórmula de bháskara. Não que ela não tenha inteligência para entender. Ela simplesmente não tem a base de conhecimento suficiente para conseguir assimilar.

Diante disso, fica apenas a dor da falta de argumentos suficiente para gritar um Let It Go. Você sabe a resposta certa, só não faz ideia de como chegou até ela. É como pegar o gabarito de uma prova, aonde tem todas as respostas, mas nenhuma explicação de como chegar até elas.
Agora, fico eu aqui pensando em como gerar argumentos suficiente para convencer meu coração a deixar ir.
E não é deixar ele ir. É deixar eu ir.
Eu até chamei algumas pessoas para me ajudarem a sair do lugar. Mas foi em vão. Eu apenas dava algumas voltas no quarteirão e voltava.
Sempre voltava.
Sempre!

Suponho que estou coração com cansado. Não dá para você correr o tempo todo no limite. Uma hora você tem que parar, pegar fôlego e aí sim, voltar com tudo!
As vezes é preciso dar um passo para trás para depois dar dois para frente.
E nesse impulso a gente grita um Let It Go.

Porque todo Let It Go tem que ser dito.