Publicado em Diário, Escrevendo, Feminismo, Lendo e Escrevendo, Machismo, Ouvindo e Escrevendo, Pensando e Escrevendo, Sentindo e Escrevendo, Vendo e Escrevendo

Essa Semana TA FODA

Essa semana teve:

– Estréia da série 13 Reasons Why
– Relato de Su Tonani sobre o assédio de José Mayer
– Apoio público de atores e diretos a Jose Mayer
– Machos mudando a campanha “Mexeu com uma mexeu com todas”
– Lady Francisco contando que foi estuprada por um diretor da Globo
– Morte de Gilbert Baker, criador da bandeira arco-íris LGBT
– Bolsonaro sendo Bolsonaro em uma palestra no clube Hebraica com direito a aplausos
– Trump bombardeando a Síria

(e a semana ainda nem acabou)

Eu não sei você, mas eu não tô bem não.

Publicado em Diário, Escrevendo, Ouvindo e Escrevendo, Pensando e Escrevendo, Sentindo e Escrevendo

Romântica pra Caralho

alice3 (1),5Em um curso do Fabricio Carpinejar, no último dia foi me perguntado se eu era romântica. Respondi imediatamente: pra caralho. A turma inteira riu. Mas ele deu um leve sorriso e falou: isso anula o romantismo. As românticas com atitude deram seu ar da graça, e a sala tornou-se bem barulhenta. Vozes femininas tentando argumentar suas posições em uma sociedade que não deixa mais espaço para românticas passivas. Eu apenas argumentei que ele estava confundido mulher romântica com amélia. Após sua definição de como é uma mulher romântica, eu me calei. Me confundi.

Deitei na cama naquela noite com a sensação de membro fantasma. Passei dias com aquela inquieta ausência.


Mas aí lembrei do meu alter ego.

Alice.

Alice, aquela que quando cai em um buraco, cai bem no fundo do seu inconsciente. Alice é o consciente no inconsciente. Por isso, ela não é aurelística. Alice não se define, se interpreta.

E foi nesse momento que o membro fantasma voltou a ter vida.

A minha interpretação de mim mesma não interfere na interpretação que o outro tem de mim.

Por isso, sim Carpinejar, eu me considero romântica pra caralho!

Publicado em Diário, Escrevendo, Lendo e Escrevendo, Ouvindo e Escrevendo, Pensando e Escrevendo, Sentindo e Escrevendo, Vendo e Escrevendo

Poderia ser Pena, mas é só Nojo

zumbi-assistindo-tv (1)

 

 

Queria sentir pena das pessoas que sentam a bunda no sofá para assistir essa programação defecada e alienatória de um instrumento que deveria ser a revolução humana, mas é a degradação de cérebros ainda vivos.

Mas eu só sinto nojo.

 

Publicado em Compartilhando, Diário, Escrevendo, Lendo e Compartilhando, Lendo e Escrevendo, Ouvindo e Compartilhando, Ouvindo e Escrevendo, Sentindo e Escrevendo

Eu pensei correr de mim, mas aonde eu ia eu tava

Em uma página de humor do Facebook, vi a frase “Eu pensei correr de mim, mas aonde eu ia eu tava.”. Fiquei tão impressionada com a intensidade filosófica da frase, que fui buscar no Google de onde ela veio. Descobri que a frase faz parte de uma música/poema de Juraildes da Cruz, um cantor/compositor de Tocantins. Sem dúvida uma das músicas mais extraordinárias que já li.

Eu pensei correr de mim
Mas aonde eu ia eu tava

Quanto mais eu corria
Mais pra perto eu chegava

Quando o calcanhar chegava
O dedão do pé já tinha ido
Escondendo eu me achava
E me achava escondido
Só sei que quando penso que sei
Já não sei quem sou
Já enjoei de me achar no lugar
Que aonde eu vou eu tô

Eu pensei correr de mim…

Tô pensando tirar férias de mim
Mas eu também quero ir
Só vou se minha sombra não for
Se ela for eu fico aqui
Um dia desses sonhando
Eu pensei: não vou me acordar
Vou me deixar dormindo
E levanto pra comemorá

Eu pensei correr de mim…

O espelho me disse
Só tem um jeito pro assunto
Não adianta querer morrer
Porque se morrer vai junto
Se correr o bicho pega
Mas se limpar o bicho some
Tem que desembaraçar
O novelo da vida do homem

 

Publicado em Escrevendo, Filmes, Lendo e Escrevendo, Ouvindo e Escrevendo, Vendo e Escrevendo

Longa Metragem de Faroeste Caboclo

Para quem não sabe, dia 26 de outubro estréia o longa metragem de Faroeste Caboclo.
E digo: até que enfim!
\o/

Mesmo sendo NÃO fã de Legião Urbana por conta da sonoridade das músicas (que como já disse aqui no Blog: https://aventurasmentais.wordpress.com/2010/11/02/serenissima/, “Me desculpem os fãs do Legião Urbana, mas para mim, os cds solos do Renato Russo nem se comparam com os das banda”. E deixando claro que é gosto, cada um com o seu.), Faroeste Caboclo é um clássico. Renato era gênio na escrita, então, Faroeste Caboclo não poderia ser uma exceção.

 Dirigido por René Sampaio.

Elenco:

João de Santo Cristo – Fabrício Boliveira
Maria Lúcia – Ísis Valverde
Jeremias – Felipe Abib 

Encontrei essa abertura NÃO oficial do filme que coloca a sonoridade diferente, que eu particularmente gostei muito!

E tem esse vídeo aonde a equipe toda do filme canta a música:

Publicado em Diário, Ouvindo e Escrevendo, Pensando e Escrevendo, Sentindo e Escrevendo

Uma conversa

– Ele é muito inteligente.

– Você realmente acha ele muito inteligente?!

– Acho. Eu que sou burra, imbecil, babaca, mongol…

– Ta, agora para e pensa… Você realmente se acha menos inteligente que ele?

(longa pausa)

– Não. Eu sou mega mais inteligente que ele.

– Ainda bem que você sabe.

(eu sei!)

Publicado em Ouvindo e Escrevendo

Pink – Dear Mr. President

Pink é agridoce. Doce no simbolismo do feminino, e acidez no simbolismo do masculino. O equilibro certo fez com que seu ‘paladar’ para a música me atraisse. Me identifiquei com o jeito agridoce de ser.

Suas músicas não são para a multidão. Engana-se quando escutam e pensam ser mais uma ‘popezinha’ na parada. Pink lançou seu primeiro cd em 2000, e de lá para cá não parou. Ganhou 2 Grammys e foi indicada para mais outros 7 que não ganhou.

Essa música ‘Dear Mr. President’ foi uma carta aberta ao Bush. Ela disse que essa música nunca seria lançada como um single nos Estados Unidos, porque era importante demais para ser percebida como um golpe publicitário.

A letra original:

Dear Mr. President

Come take a walk with me. (Take a walk with me)
Let’s pretend we’re just two people and
You’re not better than me.
I’d like to ask you some questions if we can speak honestly.

What do you feel when you see all the homeless on the street?
Who do you pray for at night before you go to sleep?
What do you feel when you look in the mirror?
Are you proud?

How do you sleep while the rest of us cry?
How do you dream when a mother has no chance to say goodbye?
How do you walk with your head held high?
Can you even look me in the eye
And tell me why?

Dear Mr. President,
Were you a lonely boy? (Were you a lonely boy)
Are you a lonely boy? (Are you a lonely boy?)
How can you say
No child is left behind?
We’re not dumb and we’re not blind.
They’re all sitting in your cells
While you pave the road to hell.

What kind of father would take his own daughter’s rights away?
And what kind of father might hate his own daughter if she were gay?
I can only imagine what the first lady has to say
You’ve come a long way from whiskey and cocaine.

How do you sleep while the rest of us cry?
How do you dream when a mother has no chance to say goodbye?
How do you walk with your head held high?
Can you even look me in the eye?

Let me tell you ‘bout hard work
Minimum wage with a baby on the way
Let me tell you ‘bout hard work
Rebuilding your house after the bombs took them away
Let me tell you ‘bout hard work
Building a bed out of a cardboard box
Let me tell you ‘bout hard work
Hard work
Hard work
You don’t know nothing ‘bout hard work
Hard work
Hard work
Oh

(How do you sleep at night?)
(How do you walk with your head held high?)
Dear Mr. President,
You’d never take a walk with me.
Would you?

Tradução:

Querido Sr. Presidente

Venha dar uma volta comigo
Vamos fingir que somos apenas duas pessoas e
Você não é melhor do que eu
Eu gostaria de fazer-lhe algumas perguntas se pudermos conversar honestamente

O que você sente quando vê tantos sem-tetos nas ruas?
Por quem você reza a noite antes de dormir?
O que você sente quando olha no espelho?
Você está orgulhoso?

Como você dorme enquanto o resto de nós chora?
Como você sonha quando uma mãe não tem a chance de dizer adeus?
Como você anda com a sua cabeça erguida?
Você pode pelo menos me olhar nos olhos
E me dizer como?

Querido Sr. Presidente
Você era um garoto sozinho?
Você é um garoto solitário?
Como você pode dizer
Nenhuma criança é deixada para trás?
Nós não somos bobos e não somos cegos.
Eles estão todos sentados em suas celas
Enquanto você abre o caminho para o inferno

Que tipo de pai tiraria os direitos da própria filha fora?
E que tipo de pai poderia odiar a própria filha se ela fosse gay?
Eu só posso imaginar que a primeira-dama tem a dizer
Você já percorreu um longo caminho de uísque e cocaína.

Como você dorme enquanto o resto de nós chora?
Como você sonha quando uma mãe não tem nenhuma chance de dizer adeus?
Como você anda com a cabeça erguida?
Você pode pelo menos me olhar nos olhos?

Deixe-me te dizer sobre trabalho duro:
Salário minimo com um bebê a caminho
Deixe-me te dizer sobre trabalho duro:
Reconstruir sua casa depois que as bombas a levaram embora
Deixe-me te dizer sobre trabalho duro:
Construir uma cama com caixas de papelão
Deixe-me te dizer sobre trabalho duro
Trabalho duro
Trabalho duro
Você não sabe nada sobre trabalho duro
Trabalho duro
Trabalho duro
Oh

Como você dorme a noite?
Como você anda com a cabeça erguida?
Querido Sr. Presidente
Você nunca daria uma volta comigo…
Daria?

Publicado em Diário, Lendo e Escrevendo, Ouvindo e Escrevendo

Jarbas Agnelli – Birds on the wires

Recebi um email ontem com o título: ‘Foto de pássaros no fio publicada no ‘Estado’ vira música’. Fui ver o video e fiquei impressionada com a tamanha sensibilidade de Jarbas Agnelli. Até aquele momento nunca tinha ouvido falar dele. Mas curiosa como sou, corri atras de informações sobre ele. Jarbas Agnelli é um publicitário e músico. Diretor da AD Studio. MySpace dele: http://myspace.com/jarbasagnelli.

A história de ‘Birds on the wires’ é de que um dia, Jarbas viu uma foto de pássaros no fio elétrico no jornal, e que para ele, parecia uma pauta musical. Recortou a foto, sentou no piano e tocou. Mandou a melodia para o autor da foto, Paulo Pinto. Ele, emocionado, mandou a foto inteira, já que o jornal tinha recortado a foto. Diz Jarbas que ganhou 8 ‘notas’, 4 no início e 4 no final, e que eram as que faltavam para finalizar a melodia.

Agnelli falou que a lição que tirou disso tudo foi de que podemos ver poesia em qualquer lugar, basta um olhar diferente.


Publicado em Diário, Ouvindo e Escrevendo, Sentindo e Escrevendo

Explicando – Try

Bom, demorei a voltar aqui para explicar o porque a música Try significa tanto para mim, mas…

Primeiro vamos a tradução dela:

“Tentar

Tudo que eu sei
É que nada é o que parece ser
Mas quanto mais eu cresço, menos eu sei
E eu tenho vivido tantas vidas
Porém nao sou velha
E quanto mais eu vejo, menos eu cresço
Quanto menos sementes eu tenho, mais eu planto

Então eu vejo você parado aí
Querendo mais de mim
E tudo o que eu posso fazer é me esforçar
Então eu vejo você parado aí
Querendo mais de mim
E tudo o que eu posso fazer é me esforçar
Tento

Eu queria nao ter visto
toda a realidade
E todas as reais pessoas
Realmente não são nada reais
Quanto mais eu aprendo, mais eu o amo
Quanto mais eu choro, mais eu choro
Dando adeus ao estilo de vida
Que eu pensei ter desenhado para mim

Então eu vejo você parado aí
Querendo mais de mim
E tudo o que eu posso fazer é me esforçar
Entao eu vejo voce aí
Eu sou tudo o que eu sempre serei
Mas tudo o que eu posso fazer é me esforçar
Oh Oh
Eu tento, tento, tento

Todos os momentos que já passaram
Eu tento voltar atrás e fazê-los durar
Todas as coisas que nós queremos pensar
Nós nunca seremos
Nos nunca seremos como maravilhosos
Isto é a vida
Isto é você, isso sou eu.
Nós somos, nós somos, nós somos, nós somos,
Nós somos, nós somos. Livres no nosso amor.
Nós somos livres no nosso amor.
Nós somos livres no nosso amor.
Tentar”

Momento de mudança tanto de pensamento quanto de atitude. “Dando adeus ao estilo de vida que eu pensei ter desenhado para mim.”

A verdade é que eu não quero falar muito sobre a causa do sentido da música, para não valorizar mais ainda o que nunca deveria ter sido valorizado.

Mas o bom de tudo é a motivação que estou para o lado da mudança. Achei que pelo fato de estar magoada, iria estagnar. No primeiro dia, quando coloquei a música aqui, eu estava bem chateada mesmo. Mas conforme o dia foi passando, eu fui melhorando…

E o começo da música já diz isso: “All I know Is everything is not as its sold. But the more I grow the less I know. And I have lived so many lives, though I’m not old. And the more I see the less I grow the fewer the seeds the more I sow.

E depois diz: “I wish, I hadn’t seen all of the realness, and all the real people are really not real at all.

E por conta disso: “I say goodbye to the way of life I thought I had designed for me…”

Publicado em Ouvindo e Escrevendo, Sentindo e Escrevendo

Música do momento

Talvez amanhã eu escreva o por que que essa música esta fazendo tanto sentido para mim… Hoje não dá, porque daqui a pouco tenho que ir trabalhar. Por hora, deixo a frase top da música e o vídeo com a tradução.

I say goodbye to the way of life I thought I had designed for me…

 

Publicado em Diário, Ouvindo e Escrevendo

Sereníssima

Hoje, remexendo nos meus arquivos, dei de cara com essa música. A tempos que gosto dessa música do Legião Urbana. Minto, a tempos que gosto da letra dessa música. O gênio de nome Renato Russo escrevia muito bem. Mas as melodias na banda… É questão de gosto. Um amigo meu do trabalho gosta muito de Legião, e quando falamos sobre, eu na hora não lembrei o porque não gostava da banda. Ouvindo Sereníssima lembrei. Para mim, a maioria das letras do Legião não combinam com a melodia.
Sereníssima é um exemplo forte disso. A letra maravilhosa, melancólica (não muito diferente de qualquer outra escrita por ele), e me vem uma uma melodia agitada, quase dançante. Gente, ele esta mal, dizendo que se apegou a pessoa, que ficou insano e esta perdido porque a pessoa mudou de idéia e esta indo embora. Tudo bem que no final da música ele coloca um fio de esperança, dizendo que consegue sorrir mesmo no meio dessa tragédia toda. Mas gente, ele esta triste. Como, em que momento se pode falar de tristeza e dançar? Isso só se é possível em estilos de música feito basicamente para isso, como samba, axé, forró, tango e por ai vai. Legião Urbana, até aonde eu sei, não se encaixa em nenhum desses ritmos.
Esse é meu único problema com Legião. Não gosto das melodias. São poucas que me agradam.

Música é o 7° sentido.  É o momento que você entra em contato com você mesmo; seus desejos, pensamentos, angustias, tristezas, alegrias… Por isso que os autistas respondem bem a música. Quem trabalha ou trabalhou com autismo sabe disso.

Mas voltando ao Renato Russo. Ele teve a brilhante idéia de  fazer uma carreira solo em 1994. Ai sim, ele juntou o que já fazia bem (letras) com as melodias que se encaixavam nas maravilhosas letras.
O 1° cd foi totalmente em ingles. O 2° em Italiano, o 3° foi lançado depois da morte dele, com 8 músicas que não entraram nos outros dois. E ainda teve um 4° em 2003, aonde a família do Renato deixou o jornalista Marcelo Fróes remexer nos arquivos, e ali achou algumas partes de músicas. O disco foi lançado no dia de aniversário do Renato, titulado de ‘Presente’.

Me desculpem os fãs do Legião Urbana, mas para mim, os cds solos do Renato Russo nem se comparam com os das banda.

Mas enfim, Sereníssima é a letra que mexe comigo. Sempre, seja em qualquer momento da minha vida, ela sempre faz sentido!

Segue a letra para quem não conhece, e me nego a colocar a música aqui. Quem quiser ouvir que procure, aqui apenas a maravilhosa letra:

Sereníssima
Legião Urbana

Sou um animal sentimental
Me apego facilmente ao que desperta o meu desejo
Tente me obrigar a fazer o que não quero
E você vai logo ver o que acontece

Acho que entendo o que você quis me dizer
Mas existem outras coisas

Consegui meu equilíbrio cortejando a insanidade,
Tudo está perdido mas existem possibilidades,
Tínhamos a idéia mas você mudou os planos
Tínhamos um plano, você mudou de idéia

Já passou, já passou – quem sabe outro dia.

Antes eu sonhava, agora já não durmo
Quando foi que competimos pela primeira vez?
O que ninguém percebe é o que todo mundo sabe
Não entendo terrorismo, falávamos de amizade.

Não estou mais interessado no que sinto
Não acredito em nada além do que duvido
Você espera respostas que eu não tenho
Mas não vou brigar por causa disso

Até penso duas vezes se você quiser ficar.

Minha laranjeira verde, porque está tão prateada?
Foi da lua desta noite, do sereno da madrugada
Tenho um sorriso bobo, parecido com soluço
Enquanto o caos segue em frente
Com toda a calma do mundo.

Publicado em Diário, Ouvindo e Escrevendo

Dizem que sou louco

Estava eu hoje voltando do trabalho, no ponto de ônibus ouvindo MPB FM, quando começa a tocar ‘Balada do louco’ na voz do maravilho Ney Matogrosso. Olhei para o céu que estava com algumas nuvens e viajei durante a música toda. Acho até que perdi um ônibus, porque o outro demorou a chegar.

A música foi lançada quando eu tinha 5 aninhos, em 1986, no disco ‘Bugre’ do Ney Matogrosso. Quem compôs foi Rita Lee e Arnaldo Baptista.

‘Eu juro que é melhor, não ser o normal…’

Dizem que sou louco por pensar assim
Se eu sou muito louco por eu ser feliz
Mas louco é quem me diz
E não é feliz, não é feliz
Se eles são bonitos, sou Alain Delon
Se eles são famosos, sou Napoleão
Mas louco é quem me diz
E não é feliz, não é feliz
Eu juro que é melhor
Não ser o normal
Se eu posso pensar que Deus sou eu
Se eles têm três carros, eu posso voar
Se eles rezam muito, eu já estou no céu
Mas louco é quem me diz
E não é feliz, não é feliz
Eu juro que é melhor
Não ser o normal
Se eu posso pensar que Deus sou eu
Sim sou muito louco, não vou me curar
Já não sou o único que encontrou a paz
Mas louco é quem me diz
E não é feliz, eu sou feliz

Publicado em Ouvindo e Escrevendo

Eu queria tanto encontrar uma pessoa como Eu


A letra dessa música é magnífica. Expressa bem o meu desejo hoje, de encontrar alguém semelhante a mim, que me entenda e me compreenda.
Eu queria tanto encontrar uma pessoa como eu. A quem eu possa confessar alguma coisa sobre mim…

E vai aí um pedido…
(Cadê a lâmpada mágica para realizar esse meu desejo? Cadê?! Cadê?! rsrsrsrs)


Eu queria tanto encontrar
Uma pessoa como eu
A quem eu possa confessar
Alguma coisa sobre mim

Quando acontece um grande amor
Assim como você e eu
O tempo passa por nós dois
Não lembro o que aconteceu

Queria tanto encontrar
Uma pessoa como eu
A quem eu possa confessar
Alguma coisa sobre mim

Mas nem por isso eu vou ficar
A questionar os erros meus
Você precisa procurar
Achar o que você perdeu

Queria tanto encontrar
Uma pessoa como eu
A quem eu possa confessar
Alguma coisa sobre mim

Eu queria tanto encontrar
Uma pessoa como eu
A quem eu possa confessar
Alguma coisa sobre mim

(Pato Fu/Eu)

Publicado em Diário, Ouvindo e Escrevendo

Música do Dia

Nada melhor do que você ouvir uma música e ter aquela sensação de identificação.

Hoje lhes ofereço uma qualidade musical bem requintada, para poucos ouvidos. A sensibilidade do artista é ímpar. É a descrição perfeita do que sinto hoje.

Solta o som DJ! rsrs

Paredes
(Jay Vaquer)

Falo pras paredes ( pessoas )
E elas me escutam
E me irritam
Em silêncio
E algumas rachaduras
Grito pras paredes ( pessoas )
E elas me fitam
E sufocam
Entre tintas descascadas
E sujeiras
Mais que a garganta que não cansa
A voz alcança um tempo sem fim
E as folhas mortas pelo chão
– da outra estação –
Ainda são bonitas
Ainda são perfeitas
Ainda são (pra sempre )
Falo pras pessoas (paredes)
E elas me evitam
E me cansam
Com manias e algumas implicâncias
Grito pras pessoas (paredes)
E elas me esnobam
E bajulam
Entre interesses
E paixões